• Novas linguagens através de tipografia, formas, cores e símbolos • Creating new languages through typography, shapes, colors and symbols • Novas linguagens através de tipografia, formas, cores e símbolos • Creating new languages through typography, shapes, colors and symbols • Novas linguagens através de tipografia, formas, cores e símbolos • Creating new languages through typography, shapes, colors and symbols

10/01/2021

O Básico e o Simples

Ver todas notas

Como um tipógrafo e um poeta enxergam o básico e o simples:

“(…) quanto mais básico um problema, mais difícil de resolver. Os problemas complexos permitem que erros e superficialidades sejam escondidos com mais facilidade”
— Wolfgang Weingart (in Como se pode fazer tipografia suíça?)

“Certos espíritos dificilmente admitem que uma coisa simples possa ser bela, e menos ainda que uma coisa bela é necessariamente simples, em nada comprometendo a sua simplicidade as operações complexas que foram necessárias para realizá-la. Ignoram que a coisa bela é simples por depuração, não originariamente; que foi preciso eliminar todo elemento de brilho e sedução (coisa espetacular), como todo resíduo sentimental (coisa comovedora), para que somente o essencial permanecesse. E diante da evidente presença do essencial, não o percebendo, até mesmo fugindo a ele, o preconceituoso procura o acessório, que não interessa e foi removido. Mais pura é a obra, mais perplexa a indagação: “Mas é somente isto? Não há mais nada?” – havia mas o gato comeu (e ninguém viu o gato).”
— Carlos Drummond de Andrade (in Confissões de Minas)

Imagem Wolfgang Weingart. Fonte: Vimeo.